Nomes divinos e títulos

I. ELOHIM, ocorre 2.700 vezes. A primeira ocorrência se relaciona com a criação e fornecendo o sentido essencial do Criador. Indica a relação de Deus com a humanidade como sendo suas criaturas (veja nota em 2 Cr 18.31 onde está em contraste com Jeová no relacionamento de aliança). Elohim é Deus o Filho, a Palavra viva numa forma divinal de criar (Jo 1.1; Cl 1.15-17; Ap 3.14; “gerado do Pai, antes dos tempos; nascido da mãe no mundo”. Na forma divinal aparecia aos patriarcas, uma forma que assumia temporariamente. Elohim é indicado (na V. A.) por uma grafia normal minúscula “Deus”. Veja mais adiante no item IX.

II. JEOVÁ. Enquanto Elohim é Deus o Criador de todas as coisas, Jeová é o mesmo Deus em relacionamento de aliança com os que ele criou (cf. 2 Cr 18.31). Jeová quer dizer o Eterno, o imutável, aquele que era, é e será. A definição divinal é fornecida em Gn 21.33. Ele é, especialmente, o Deus de Israel; e o Deus de todos os que ele redimiu, que estão agora “em Cristo”. Podemos dizer “meu Deus”, mas não “meu Jeová”, porque Jeová é o “meu Deus”.

Jeová é indicado (como na V. A.) por letras capitais em formato menor SENHOR, e por DEUS quando ocorre em combinação com Adonai, no caso Senhor DEUS – Adonai Jeová.

O nome Jeová é combinado com outras palavras que formam o que conhecemos como títulos de Jeová.

Alguns deles, a seguir, estão na ordem em que aparecem no cânone hebreu (ap. 1.1). Todos levam notas na margem quando aparecem no texto:

1. Jeová-Jiréh = Jeová verá, ou o SENHOR proverá (Gn 22.14).

2. Jeová-Rafá = Jeová que os cura; O SENHOR que te sara (Ex 15.26).

3. Jeová-Nissi = Jeová ou o SENHOR minha Bandeira (Ex 17.15).

4. Jeová-Mekadiskem = Jeová ou o SENHOR que os santifica (Ex 31.13; Lv 20.8; 21.8; 22.32; Ez 20.12).

5. Jeová-Shalom = Jeová ou o SENHOR é Paz (Jz 6.24).

6. Jeová-Zebaitote = Jeová ou SENHOR dos Exércitos (1 Sm 1.3 e citações comuns).

7. Jeová-Tsidkenu = Jeová ou SENHOR é a Nossa Justiça (Jr 23.6; 33.16).

8. Jeová-Shammah = Jeová ou SENHOR está aqui (Ez 48.35).

9. Jeová- `Elyon = O SENHOR, o Deus Altíssimo (Sl 7.17; 47.2; 97.9).

10. Jeová-Raá = O SENHOR meu pastor (Sl 23.1).

Sete desses são mencionados no Sl 23, como Jeová, o “Bom”, o “Grande”, o “Pastor-Chefe”, engajado em toda perfeição de seus atributos a favor de seu rebanho:

No v 1 temos o nº 1 acima.

No v 2 temos o nº 5.

No v 3 temos nºs 2 e 7.

No v 4 temos nº 8

No v 5 temos nºs 3 e 4.

III. JAH é Jeová num sentido e numa relação especial. Jeová como tornando-se nosso Salvador (1ª. oc. Ex 15.2), O que É, e Era e Será. Ocorre 49 vezes (7×7 veja ap. 10). Comp. Com Sl 68.4,18.

IV. EL é essencialmente o Todo-poderoso se bem que a palavra nunca é usada (veja abaixo “Shaddai”). EL é Elohim em toda sua força e poder. É usada como DEUS como é Elohim, mas EL é Deus o Onipotente. Elohim é DEUS o Criador colocando sua onipotência em operação. Eloá (veja baixo) é DEUS cuja vontade ordena a tudo, e que deve ser objeto de adoração de seu povo. El é o DEUS que conhece tudo (1ª. oc. Gn 14.18-22 e veja tb. Gn 16.13) e opera todas as coisas a favor de seu povo (Sl 57.2) e em quem todos os atributos divinos se concentram.

El nesta edição aparece com caracteres grandes, assim DEUS. Algumas vezes é transliterada em nomes próprios como em Emanu-el; Bet-el sempre explicado e traduzido nas margens.

V. ELOÁH É Elohim que deve ser adorado. Eloáh é Deus em conexão com sua vontade e não seu poder. A primeira ocorrência associa este nome com adoração (Dt 32.15,17). Assim é o título dado sempre que contrasta (latente ou expresso) com falsos deuses ou ídolos. Eloáh é essencialmente “o DEUS vivo” em contraste com ídolos inanimados.

VI. ELYON ocorre pela primeira vez em Gn 14.18 com El e é referido como “o Altíssimo (DEUS)”. É EL e ELOHIM não como o poderoso Criador, mas como o que “possui os céus e a terra”. Por isso o nome é associado com o Cristo como o Filho do “Altíssimo” (Lc 1.35).

É Elyon como possuidor da terra, que divide as nações “sua herança”. No Sl 83.18 ele “está sobre toda a terra”. O título ocorre 36 vezes (6×6 ou 6². Veja ap. 10).

Elyon é o que distribui as bênçãos de Deus sobre a terra; as bênçãos procedentes de um Sacerdote que é Rei entronizado (cf. Gn 14.18-22 comp. com Zc 6.13; 14.9).

VII. SHADDAI, é sempre traduzido como “todo-poderoso”. É DEUS (El) não como fonte da força, mas da graça; não como Criador mas como doador. Shaddai é o que dispõem de tudo. Este título não se refere ao seu poder criativo, mas como o que tem poder de suprir todas as necessidades de seu povo. A primeira ocorrência está em Gn 17.1 e é usado para mostrar a Abraão que aquele que o chamou pode suprir todas as suas necessidades. Assim mesmo é o título usado em 2 Co 6.17-18, onde somos chamados para “nos separar” do mundo. É frequentemente usado em conexão com El.

VIII. ADON é um dos três títulos (ADON, ADONAI E ADONIM), geralmente traduzidos como Senhor, mas cada um deles tem um uso particular quando associados. Todos denotam chefia em vários aspectos. Têm a ver com Deus como o Senhor supremo.

(1) ADON é o SENHOR como governador da terra. Indicamos essas ocorrências usando uma letra capital em tamanho menor, não porque uma delas precise ser enfatizada, mas para diferenciar a palavra “SENHOR”, de Adonai, que é sempre impressa assim na V. A.

(2) ADONAI é o SENHOR em sua relação com a terra; levando adiante seu propósito de abençoar a terra. Esta limitação assemelha-se a Jeová. De fato, era usado em tempos remotos, associando-se a sinais na vogal da palavra Jeová com Adon, convertendo Adon para Adonai. Uma relação de 134 passagens em que isto foi deliberadamente feito é preservada e fornecida na Massorá (∫∫ 107-115). (Veja ap. 32). Indicamos a ocorrência grafando a palavra como Jeová colocando um asterisco assim SENHOR*.

(3) ADONIM é o plural de Adon, raramente usado para homem. Adonim carrega consigo tudo o que Adon tem, mas num sentido e num grau maior; mais especificamente como dono e proprietário. Um Adon pode governar sobre outros que não lhe pertencem. Assim (sem o artigo) é usado frequentemente para homem. Mas, Adonim é o Senhor que governa sobre os que lhe pertencem. Indicamos essa ocorrência grafando SENHOR.

Os três podem ser entendidos da seguinte maneira:

Adon é o SENHOR como governador ou senhor.

Adonim é o SENHOR como dono.

Adonai é o SENHOR como abençoador.

IX. Os tipos usados para indicar os títulos acima, no texto, são os seguintes:

DEUS – Elohim

DEUS – Jeová (em combinação com Adonai “SENHOR”).

DEUS* – Jeová nos textos antigos, alterados pelos Soferim para Elohim como nos textos antigos (veja ap. 32).

DEUS – El

DEUS¹ – Eloá

SENHOR – Jeová

SENHOR – Adonim

Poderoso – Shaddai

Todo-Poderoso – Elyon

X. As combinações são indicadas como:

Adonai Jeová – SENHOR DEUS.

Jeová Elohim – SENHOR DEUS

Elyon El – DEUS TODO-PODEROSO

El Shaddai – DEUS PODEROSO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*