22. A caminho do todo

Gn 15.1; Dt 1.17

Vimos que os discípulos foram primeiramente chamados para dominar em Jerusalém – o centro de seus maiores problemas. Jesus faria do lugar do maior fracasso dos discípulos o local do maior sucesso deles.

O que isso mudaria na mentalidade deles? Algo importante e necessário: Limpá-los de todo escapismo, da fuga dos problemas, limpá-los de não querer lidar com temas desagradáveis e do nervosismo. Livraria a igreja de coisas que agem como pragas em todos os países, em todas as eras e tornando-se opróbrio: “ópio do povo”. Os discípulos estiveram à beira do fracasso. Depois da ressurreição e antes do Espírito descer, o registro diz que, “enquanto os abençoava, ia-se retirando deles, sendo elevado para o céu. Então, eles, adorando-o, voltaram para Jerusalém, tomados de grande júbilo” (Lc 24.51-52). Louvando a Deus e deixando de lado os problemas!

As autoridades religiosas haviam crucificado a Jesus, e agora os discípulos do crucificado estavam no mesmo templo louvando a Deus, sem questionamentos, sem confrontar a hierarquia dos crimes que os sacerdotes haviam cometido, mas recolhendo-se à sua felicidade interior, ao seu escapismo. Se este fosse o quadro, o evangelho nunca teria chegado até nós. Teria morrido ali, embrulhado em papel místico ou enterrado com devoção e emoção, incapaz de produzir os frutos necessários.

Jesus, vendo esta possibilidade, os desafiou a esperar pelo Espírito, sabendo que quando a criatividade do Espírito se derramasse sobre eles, eles não se conformariam com o sistema religioso iníquo, mas o confrontariam com a necessidade de arrependimento. Foi o que fizeram, e Jerusalém reagiu com arrependimento e lágrimas, e as multidões se convertiam todos os dias. O pior havia sido confrontado e dominado. A partir daí estavam prontos para tudo. Se podiam confrontar Jerusalém e dominá-la usando o Nome de Jesus, poderiam enfrentar qualquer desafio em seu Nome. Tudo seria apenas uma repetição – já havia encontrado e conquistado a coisa real. Alguém disse: “Sempre que levantar uma questão, faça-o de forma aguda. Resolva-a ali mesmo, e a partir dali tudo estará resolvido”.

Jerusalém era o problema dos discípulos. Depois que o resolveram, podiam enfrentar qualquer situação sem medo algum. A religião não era um ópio – mas uma possibilidade. É uma vitória!

Oração: Gracioso Espírito Santo, varre de minha mente e de meu coração todo comportamento que me leva ao escapismo, e dá-me o poder de controlá-lo. Amém.

Afirmativa: O Espírito em mim é tudo de que eu preciso para vencer qualquer coisa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*