A Nova Moda das Igrejas: Ambientes Escuros e Negros!

Ultimamente as igrejas que me convidam para pregar pintaram o palco – que se chamava púlpito alguns anos atrás – de preto, com o argumento de que melhora as gravações de vídeos e as transmissões dos cultos ao vivo pela Internet. O fundo preto esconde aquelas caixas de sons e os fios e as pessoas que trabalham por trás dos músicos e pregadores. Até aí, tudo bem. Foi-se o tempo em que se pintavam quadros de paisagens com montes, rios, cachoeiras e lagos ao fundo, pelo menos nessas igrejas que se dizem contemporâneas.  Mas, a gente sente saudades dos púlpitos claros, não é mesmo?

Depois, no decorrer dos dias, algumas dessas igrejas pintaram as laterais do templo e algumas delas pintaram o forro de preto, e depois pintaram por fora todo o templo de preto! No entanto, as explicações que me deram não me convenceram. Por isso, saí a pesquisar sobre a função da cor preta, especialmente na arquitetura moderna e nos comerciais de televisão. Eu carecia de uma explicação científica sobre o porquê pintar todo o templo ou salão de reuniões de preto.

Alguns especialistas afirmam que o preto é uma “não cor”; para outros o preto é a ausência de cor, enquanto para outros o preto engloba todas as cores! Vi o vídeo ([i]) em que André Valadão no The Noite se orgulhou do que fez com o púlpito da igreja da Lagoinha e passei a pesquisar sobre igrejas contemporâneas.

Em todos os sites pesquisados notei que as informações científicas são mínimas e porque não dizer irrisórias. Os vídeos e comentários dos pastores que defendem a cor preta são sofismas facilmente contraditados pela ciência. Um desses pastores argumentou que o templo verdadeiro não foi pintado de preto, porque o verdadeiro templo é a igreja, isto é, o povo, e que dá menos trabalho, porque a sujeira e a poeira não aparecem tanto! (Acho que vou trocar a cerâmica branca do piso de minha casa por cerâmica preta – risos).

Imaginei, então, que consultando os especialistas em cromoterapia, isto é, quem procura trazer alívio e cura às pessoas pela cor teriam algo a dizer, mas, aí encontrei resposta á pergunta: Até que ponto considera-se a cromoterapia uma ciência? Ora, a cromoterapia é uma pseudociência: “Cromoterapia é a prática pseudocientífica de utilizar cores na cura de doenças, a qual vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações — Egito antigo, Índia, Grécia e China — com o objetivo de harmonizar o corpo, atuando do nível físico aos mais sutis”. Interessante que verificando o uso das cores na cromoterapia não encontrei o preto nem a importância da cor preta na cura de pessoas! ([ii]).

Gostei do que disse a professora Ana Luiza Fernandes, jornalista, mestre em Ciências da Comunicação ao afirmar que “a cor preta não favorece a comunicação, e pela falta de energia estimula a individualidade e evita a troca entre as pessoas. Além de estimular a teimosia, que é a consequência da falta de comunicação e do excesso de individualidade” ([iii]). Hum! Essa declaração dela me preocupou, porque um dos principais problemas das pessoas hoje é o senso de isolamento, apesar dos recursos das redes sociais.

Um dos sites a que consultei informou que a cor preta é a cor do ocultismo, da magia e do mistério e lembra o cosmos e o universo – o que me levou a pensar nos “buracos negros”, o terror dos viajantes espaciais!

No vídeo da Igreja Multimídia, Rodrigo Kashima explica as razões de se usar a cor preta em boates, clubes, cinemas e teatros e, indiretamente defende o uso da cor nos templos das igrejas porque elimina a distração e prende o foco das pessoas a quem está na plataforma. Mas, também não apresenta uma explicação científica plausível, apenas técnica. Eu gostaria de, além de ter uma resposta científica saber que influência o preto tem na religião! Na realidade, a cor preta serve para que a luz foque apenas o homem na plataforma. Ele é o show!

Na cultura da igreja usa-se o preto apenas dois dias por ano: Sexta-feira da Paixão e sábado de aleluia! Sobre as cores usadas no calendário litúrgico, sabe-se que a cor branca é usada na Páscoa e no Natal. A cor vermelha, no dia de Pentecostes, para lembrar o Espírito Santo; a cor verde é usada nos domingos comuns; o roxo no advento e na páscoa, e o preto, é usado como sinal de luto. O preto em todos os dias de culto seria um ato profético dessas igrejas anunciando a morte de alguma coisa?

Assim, o preto como adorno nos cultos da igreja, é usado na decoração da mesa da eucaristia na sexta-feira da paixão e no sábado um dia antes da páscoa. No domingo de páscoa sai de cena e entra a cor branca para anunciar a ressurreição do Senhor. Nesta ocasião se adorna a mesa com toalhas brancas e, se possível, com flores e lírios brancos sobre a mesa!

Depois de ler e ouvir vídeos a respeito, concluí que:

1. A cor preta, usada em ambientes como teatros, cinemas e casas de shows serve para que as pessoas direcionem o foco de seu olhar e de sua atenção para o palco, e não se distraiam com alguém passando ao seu lado nem com pessoas mal vestidas ou bem vestidas com roupas coloridas. Seu foco está no palco! Na tela do cinema. Assim, ninguém dispersa o olhar! Isso acontece também nos templos pintados de preto, com uma diferença, que o leitor verá no ponto seguinte:

2. Nos templos e salões de reuniões da igreja a cor preta serve para destacar o palco em que o pastor, o dirigente do culto e os músicos são vistos com suas calças coladas, suas camisas atraentes, suas tatuagens e colares, o que traz implícita a ideia de show.

3. A cor preta esconde as pessoas uma das outras e as tornam “invisíveis”.  As pessoas que gostam desses ambientes escuros das igrejas não querem ser notadas nem observadas, o que estimula a individualidade e o egocentrismo. Ora, vive-se num tempo em que as pessoas estão isoladas, em completa solidão, e que, apesar de terem suas redes sociais, com muitos “amigos”, estão sós. E não sei se a igreja deve contribuir para fechá-las ainda mais em seus isolamentos sociais.

4. A cor preta desestimula a comunhão entre os irmãos que é feita principalmente pela visualização. Com a ausência de cor – o preto é ausência de cor – os irmãos não conseguem ver uns aos outros, e, assim como entram voltam para suas casas, a menos que já tenham construído relacionamentos saudáveis, o que não acontece com os visitantes! Para muitos, a comunhão se dará na calçada ou nas pizzarias, a menos que se abra espaço para que se tomem drinques e cafezinhos no intervalo dos cultos.

5. Os que defendem o uso da cor preta como fundo de palco – e vários de meus amigos a usam afirmando que para as gravações de vídeo é melhor, e de que o preto serve para destacar as pessoas nas gravações de vídeos de suas igrejas, e que escondem a bagunça das caixas de sons e instrumentos musicais, tem sua argumentação derrubada, quando se vê que nos principais estúdios de tevê das emissoras do país, pelo menos nos noticiários não se utiliza o preto, mas uma variedade de cores, e seus vídeos ou gravações são muito lindos!

Não quero ser contendedor, e se o fosse argumentaria biblicamente sobre a cor preta usando as várias passagens em que Jesus fala de trevas e da noite sempre com um sentido negativo. Até mesmo Paulo falou da questão da noite como algo negativo. Porque trevas falam de coisas ocultas, por isso, Lucas, quando registra que na reunião dos irmãos havia muitas “lâmpadas no cenáculo” (At 20.8) onde estavam reunidos, está dizendo a Teófilo, a quem dirigia o livro, de que aqueles irmãos não estavam se reunindo secretamente, e não infringiam a lei romana que proibia reuniões em lugares secretos, e sim, que podiam ser vistos pela guarda romana da cidade. Quem sabe se alguma lei federal exigir que não haja reuniões secretas, as igrejas voltarão a escancarar as portas e deixar os templos e salões bem iluminados!

Obviamente que os mais bíblicos e espirituais derrubariam minha argumentação afirmando que Deus mora nas trevas e que faz das trevas seu esconderijo, como afirmam vários versículos dos Salmos. Alguns usarão a declaração de Salomão que afirmou: “o Senhor declarou que habitaria em trevas espessas!” (1 Rs 8.12). E habita, realmente em trevas, porque Salomão se referia ao fato de que a nuvem que cobria o monte Sinai e a arca da aliança com os querubins era escura, negra, e encobria a presença de Deus para que o homem não morresse. A pergunta que faço é: Hoje, a cor escura encobre o quê? Estará encobrindo a presença de Deus para que o homem seja visto?

E, como não encontrei uma resposta científica plausível quanto ao uso do preto como tela de fundo para destacar as gravações, nem no estudo da cromoterapia, pediria aos meus leitores que enviem publicações científicas a respeito deste tema; se as encontrarem, porque até agora o que encontrei está no terreno do esoterismo!

É difícil para qualquer membro antigo de igreja, acostumado à luz, assimilar o fato de que a cor preta dos templos e salões de reuniões significa contemporaneidade. Afinal, dizem: Durante dois mil anos de crescimento da igreja não se usou a cor preta, bem ao contrário, os locais de reuniões eram limpos, claros e por vezes coloridos! Por que razão nunca se precisou do preto? Concordo com eles, porque o foco era sempre Cristo, a luz, a vida, a ressurreição, enquanto nos dias de hoje o foco deixou de ser Cristo, para ser o homem; e o evangelho light, fofinho que não machuca ninguém!

Desconfio, e estou estudando a respeito, que deve existir uma ligação espiritual ainda não perceptível em tudo isso! E, se o descobrir escreverei a respeito.

As pessoas mais velhas cresceram em ambientes de igrejas cheios de luzes, em que os antigos vitrais coloridos dos templos transmitiam uma sensação de paz e tranquilidade ao frequentador do culto dominical. Quanto mais claro o ambiente, mais paz de espírito se sentia! As cores dos vitrais refletiam no templo os raios solares coloridos.

O argumento é de que se trata de uma inovação cultural positiva.

Quanto a questão da inovação, deixe-me pontuar aqui uma coisa: Eu fui um inovador na questão da hinódia da igreja a partir da década dos anos 70, mas foi uma inovação sadia que levava as pessoas a uma vida de adoração e de compromisso com Cristo e não como uma novidade a mais! Sempre acreditei que música é cor e energia, e por vezes imaginava que a marcha fúnebre representava um quarto escuro, cheio de intensas trevas, momentos de tristeza e choro, enquanto cânticos de louvores a Deus flutuavam angelicalmente nas cores do arco-íris.  Posso dizer sem medo de errar: No céu não tem negrume! Lá deve ser tudo claro! Agora, por que Jesus falou tanto em trevas eternas?

Meus livros, a respeito do tema mudaram o conceito de louvor e adoração de várias gerações. Se por um lado fez bem naquele tempo, hoje louvor e adoração tomaram rumos desastrosos até mesmo em igrejas históricas, que eu não esperava! Porque sempre ensinei um louvor Cristocêntrico, sem shows, em que os músicos não precisavam vestir o paletó do diabo para serem vistos, apenas Cristo era glorificado. A propósito, “vestir o paletó do diabo” é o título de um artigo que escrevi anos atrás, falando dos cantores e músicos que precisam imitar o mundo para serem vistos!

Nenhum de nós é Amish, pessoas que vivem no passado, sem energia elétrica nem carros, e se deslocam de carroças; nada disso ([iv]). Somos modernos quanto a tecnologia desde que essa contribua para divulgar a essência da mensagem do evangelho. O problema é que alguns pastores não se deram conta de que mudaram o evangelho pela tecnologia que usam!

Quando sou convidado a pregar nas igrejas que utilizam o preto, limito-me a pregar a palavra de Deus, sem condená-los, ainda que tenha que fazer um enorme esforço para ler o texto bíblico e ver as pessoas no auditório! Dia desses não conseguia ler a Bíblia, porque não havia luz e nem um apoio para a Bíblia. Trouxeram-me, então, uma caixa de som e a colocaram sobre uma cadeira onde apoiei a Bíblia!

Sei que estou pisando em areia movediça, e que não serei entendido e que perderei espaço para pregar nas igrejas, mas, para mim – e enfaticamente o digo – para mim trata-se de uma cor esotérica, fúnebre, que infunde respeito pela morte, isolamento e solidão. Para outros representa tristeza e reverência, não aquela reverência alegre que se tenha num culto de adoração, mas uma reverência de tristeza e luto! Ora, a tristeza e o luto em algum momento do culto devem dar lugar a alegria e gozo!

Aliás, no cântico, “no Santo dos Santos a fumaça me encobre”, posso afirmar que a única fumaça hoje é a fabricada pela maquininha de gelo seco nos palcos! Porque se a nuvem de Deus descer na igreja os crentes saem correndo ou desmaiam, como fizeram alguns sacerdotes, na inauguração do templo de Salomão. Não fica ninguém em pé!

Também me acostumei a associar o preto como a cor dos cabarés de beira de estrada com suas luzes vermelhas, com os clubes de dança onde poucos se veem, em que as luzes coloridas misturadas ao preto provocam alucinações aos frequentadores.

O preto lembra o pecado, a tristeza, o velório e a dor.

Em contrapartida observo que alguns centros de umbanda estão usando o branco em seus salões envidraçados com muita luminosidade para que os transeuntes enxerguem do lado de fora o que passa no lado de dentro, enquanto nós nos escondemos na escuridão para que os de fora não enxerguem o que se passa no lado de dentro!

Fica aqui minha observação. Respeito a opinião de cada pastor, e proponho que sigam na direção que Deus lhes deu neste mundo de novas ideias sem que se dilua a mensagem do evangelho!

Ficaria contente se nesses templos pretos e sem luminosidade os pastores pregassem contra o pecado, falassem da necessidade de arrependimento, da necessidade da purificação pelo sangue de Cristo; se os pastores levassem as pessoas a mudarem de vida para que sejam libertas dos demônios e batizadas no Espírito Santo; se houvesse manifestações demoníacas nos cultos – raridade hoje – e se parassem de pregar sobre autoajuda e conclamarem seus ouvintes a uma mudança radical de vida. Repito, se tudo isso ocorrer dentro de um ambiente preto e lúgubre, voltarei atrás no que escrevi! Mas, de maneira geral muda-se a cor do templo e muda-se também a “cor” do evangelho!

Concluindo uso aqui as palavras do pregador e avivalista Charles Spurgeon:

“O fato é que muitos gostariam de unir igreja e palco, baralho e oração, danças e ordenanças. Se nos encontramos incapazes de frear essa enxurrada, podemos, ao menos, prevenir os homens quanto à sua existência e suplicar que fujam dela. Quando a antiga fé desaparece e o entusiasmo pelo evangelho é extinto, não é surpresa que as pessoas busquem outras coisas que lhes tragam satisfação. Na falta de pão, se alimentam com cinzas; rejeitando o caminho do Senhor, seguem avidamente pelo caminho da tolice.”


[i] https://youtu.be/F05DkqWySbI?t=567

[ii] Veja em www.equilibrioeprosperidade.com.br/cromoterapia-significado-das-cores

[iii] Veja em http://www.wemystic.com.br/artigos/fachada-preta-os-efeitos-de-ter-a-fachada-pintada-na-cor-preta/.

[iv] Os Amish são um grupo religioso cristão anabatista, baseado nos Estados Unidos e Canadá. São conhecidos por seus costumes conservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis.

About Pr. João de Souza

Pastor, escritor, historiador e pesquisador bíblico

View all posts by Pr. João de Souza →

38 Comments on “A Nova Moda das Igrejas: Ambientes Escuros e Negros!”

  1. Um abraço meu mestre
    Lhe admiro muito desde que li seu livro ” Demônios, Emoções ou Carnalidade ”
    Depois tive a honradez de ser seu aluno no seminário
    Acerca do artigo escrito, indiscutível suas afirmações
    Nunca me esquecerei de quando se referia a mim como o grandão do MMA ( RISOS )
    Um beijo no coração

  2. Como sempre digno de louvor são os teus artigos e posições doutrinárias.
    Assim como na política e sociedade a Era do mi mi mi tomou conta do evangelicalismo e muitos preferem calar. Parabéns e obrigado pela tua posição. Nossos dias exigem alguém com o chamado de João Batista.
    Bem-vindo João Antônio.

  3. Boa noite Pr. Joazinho, graça e Paz!
    Concordo plenente com o Sr., o que e de Deus na minha maneira de ver, as coisas espirituais sao na luz , todos podem ver e devem.
    Nao gosto e nao me sentiria bem num ambiente escuro que para mim tbm. Significa treva, tristeza e cheira a mundo.Na igreja que congrego, o culto de jovens e assim.Nunca fui e nao pretendo ir. Nao concordo.Penso como o Sr.

  4. João, acredito que o diabo pintou a Igreja de preto para esconder i que tem de mais bonito na assembléia, o povo. Nossos irmãos e irmãs. Fomos feitos para a luz, na Bíblia somos chamados de filhos da luz. Jesus disse que somos do dia e não da noite. Aliás, quem segue Jesus não andará em trevas. Uma pena que muitos irmãos se deixaram influenciar pelas trevas.
    Obrigado pelo seu artigo.

      1. Graça e paz Reverendo João de Souza.
        Os dias são difícil, as mudanças no cenário evangélica causa espanto.
        Enquanto for pintadas as paredes do templo de preto ainda se releva, difícil é Satã pintar a mente de muitos que se dizem cristãos de preto, Paulo Apóstolo nos diz que o deus deste século segou o entendimento do incrédulos.

        1. Gostei muito dos argumentos e que serviu muito para compreender algumas questões. Parabéns pastor. Estamos vivendo tempos difíceis entre o povo evangélico. Jesus disse: Não peço que os tires do mundo, mas que os livre do mal. Precisamos influenciar e infelizmente estamos mais sendo influenciados. Sou de uma geração onde o outro é parte do corpo e que precisa ser visto do meu lado. E não sou tão velha. Apenas 51 anos.

  5. Olá, antes de entrar no site do pastor, estava fazendo um estudo exatamente sobre este assunto, “cor preta” e o porque as igrejas estão pintando suas paredes de preto. Sou Cristã e dentre outras formações tenho a de Psicanalise. Acredito que a cor preta traz significados nada bons. No ultimo fim de semana estive numa Igreja em minha cidade (Vila Velha/ES), onde o “púpito” estava todo pintado de preto, (mas ma minha cidade já esta bem comum esta pratica). Quando começou o culto com um louvor bem animado, baixei minha cabeça e comecei a orar, e durante a oração tive uma visão, a qual perguntei ao Senhor o que era, a resposta veio…espírito de engano. Então continuei orando e comecei a repreender aquele espírito e pedi ao Senhor que enviasse seus anjos para retirar o tal espírito dali, e a veio novamente uma voz e disse…não posso pois deram legalidade para que ele esteja ai…e continuei a orar…então pedi discernimento de que legalidade era aquela, e veio nitidamente que o inimigo esta usando a cor preta para confundir as pessoas, e dentro desta confusão, trazendo espirito de engano, e etc.
    Bom, não sei se acreditarão ou não, mas foi uma experiencia que tive e fico triste pois tem muitas igrejas pintando suas paredes de preto, tanto internamente quanto externamente.
    Eu poderia citar varias situações onde o preto significa trevas, dor, medo…e também biblicamente falando onde se fala que o branco simboliza limpeza, pureza, santidade…

    Reflitão, pequisem…

    “O meu povo perece por falta de conhecimento” Oseias 4:6

  6. Concordo com o escritor essa pratica é Mais uma para lista de modismos dos evangélicos, quem aderiu essa mudança na pintura pode falar o que quiser não há desculpa que seja plausível para isto.

  7. Matéria preconceituosa.
    Quer dizer que a cor preta nos teatros e cinemas servem pra prender a atenção das pessoas, MAS nas igrejas servem para que as pessoas olhem somente a roupa colada do pastor (invenção maldita do escritor) e as camisas novas de quem está no palco?

  8. Na verdade, não concordo!

    A igreja é cada um de nós, já o templo (prédio) pode ser de qualquer cor, por dentro e por fora. O foco no púlpito é simplesmente porque o foco deve ser o que Deus está falando, não o que o irmão está vestindo, se o outro está chorando. Creio que as igrejas com essa “cultura” tem um momento certo para Comunhão, e estou certo que ao final de cada culto, luzes são acesas, afinal se fosse realmente a ausência de “luz”, além de um não enxergar o outro, não enxergariam nada. A ideia de egocentrismo está distorcida, a salvação é INDIVIDUAL, mesmo que eu esteja com toda a minha família em qualquer igreja, EU tenho que ter a intimidade com Deus, meus pais não podem fazê-lo por mim. O ambiente escuro traz o ar de intimidade, que é o que precisamos ter com Deus! Jesus ia ao Getsêmani, somente com o brilho da Luz e estrelas sobre ele, pois era o momento dele com Deus. Essas igrejas querem proporcionar esse tipo de sentimento, sem constranger as pessoas por roupas, aparência física, para que elas se sintam à vontade na presença de Deus.

    Esse é o meu ponto de vista.

    Que Deus abençoe sua vida!

  9. Estou pesquisando a respeito, obrigada pela sua opinião sincera e bíblica. Fazer essas críticas pode, talvez, manter a luz aqueles que estão querendo ir para escuridão.
    Que o Senhor nos abençoe.

    1. Sinceramente as pessoas estão procurando sarna pra se coçar. Deus quando fez o mundo é tudo o que há nele, fez de forma exuberante assim como Ele é; para o primeiro local de adoração (a tenda), Deus deixou muito bem claro que queria um local com exuberância, Deus gosta de coisas bonitas. Apesar disso, o foco não era o local em si, e sim a arca da aliança (símbolo da presença dEle) e os sacrifícios das pessoas. O mais importante não é se a tenda (templo, hoje em dia) é branca, preta, azul, amarela, o que importa é a presença do Senhor se movendo nas pessoas que a frequentam. Deus transforma a dor em alegria, a morte em vida, independente do local.

  10. Todo o artigo resume-se a este parágrafo: “Na realidade, a cor preta serve para que a luz foque apenas o homem na plataforma. Ele é o show!” E se chegamos até este ponto é porque, na raiz, Deus foi destronado para que o homem passasse a ser o centro da religião. Este é o antropocentrismo humanista iniciado pelo ex-frei Martinho Lutero. O resultado não poderia ser outro, afinal, como ensinou o Senhor, conhecereis a árvore pela qualidade de seus frutos. A redenção final se aproxima. Quem espera ser arrebatado ao Céu, onde Deus Todo-Poderoso habita em LUZ inacessível, permanecendo dentro de salas escurecidas com paredes, teto, chão pretos, pode ser surpreendido por aquele “ladrão” que vem de madrugada, sem aviso prévio.

    1. A verdadeira luz que é CRISTO jamais poderá ser ofuscada ou apagada por ausência de luz criada pelo homem, um homem nascido negro ou vestido de negro não é pior ou melhor pela sua cor. É tempo de quebrar barreiras e focar em viver a verdade e mais que aparência de santos buscar Ser através da transformação da mente para que a luz de Cristo brilhe e quebre toda escuridão.

  11. Pastor, que o Senhor Jesus continue usando sua vida com Poder e Glória! Este estudo só veio me edificar e acrescentar para o que tenho estudado e falado. Realmente, a volta de Jesus está breve!

  12. Paz e graça.
    Tenho a certeza que o artigo foi bem preparado, mas com o intuito de julgar e não entende o real motivo, o problema e que as tradições da igreja e não da bíblia afetam hoje e muito e dificultam o trabalho de evangelização, o foco em tira a luz do culto é para que pessoas possam concentra em si quando esta no culto e não fica de olho na vida do outro, na maioria das igrejas aonde a luz é reduzida á maior atenção a palavra pregada, e menos nas pessoas, e para a comunhão dos irmão sempre tem programação para interagir o interpessoal das pessoas.
    Dou como exemplo meu ministerio, tinha uma juventude que não chegava a 45 jovens, mudei modelo do culto apaguei algumas luzes, 6 meses depois os cultos de jovens passavam a ter media de 400 jovens por culto, a parti dai começamos a desenvolver trabalho sociais a comunidade, vigílias e media de conversão de 60 jovens em 1 ano, com 30 batizados, resumindo a tradição anti bíblica só atrapalha no processo da igreja, temos que abri nossas mentes para o crescimento espiritual verdadeiro, pois a bíblia não fala de luz em culto e nem coloca um modelo, antes que me critiquem minha igreja é Assembleia de Deus.

  13. Gostei demais de seu minucioso texto, preocupou-se em pesquisar todos os canais que levam à esse modismo.
    Sou Arquiteta e tenho uma noção da função da cor preta para ocultar umas coisas e focar outras.
    Fiz até alguns Projetos de Igrejas e sempre peço inspiração ao Espírito Santo, nunca fui direcionada a usar a cor preta nas paredes dos Templos.
    Já visitei algumas Igrejas assim, negras, com efeito de fumaça e louvor em alto volume, não gostei para o meu jeito de ser, as pregações que ouvi até bem firmadas na Palavra, mas o ambiente não nos convida à comunhão , ao “olho no olho” que Jesus sempre pregou, que valorizo e senti falta…
    Acredito que esses “alertas” para os jovens na Caminhada são de extrema importância, até para rever as questões não só arquiteturais, mas sobretudo do Evangelho simples e claro como é e como precisa ser pregado. Oro para que entendam…
    Deus o abençoe Pr. Joãozinho!
    Cyndia
    Recife,13/06/19

  14. Acredito que nos líderes está o desejo de ser visto e atrair mais plateia e o público, percebo que são em sua maioria pessoas que não suportam conviver com limites, preferem estar na penumbra, onde não serão confrontados, nem terão que se posicionar diante do mundo, conheço muita gente que faz parte desse cenário e guardam pra si profunda depressão e isolamento. Aos meus olhos fome muito dos modelos bíblicos.

  15. Totalmente de acordo com a explicação do pastor.
    Esses dias eu estava me sentindo muito indagada sobre esse assunto, confesso fui ministrar em uma congregação nessa situação e sinceramente não me sentir confortável.
    A igreja precisa despertar imediatamente em oração pra que as escamas caiam dos olhos de alguns líderes
    Que Deus tenha misericórdia de nós.
    @praluo

  16. Sinceramente, na minha humilde opinião, a principal arma do diabo é essa, o principio da rebelião. Pesquisei a quantidade de lideres que, estão tornando esse assunto das igrejas pintadas de preto, um assunto sensacionalista. Vamos nos amar, vamos orar uns pelos outros, vamos evangelizar. Tantas ministérios para serem desenvolvidos em prol das pessoas que, ainda não conhecem Jesus, e ficamos debatendo a cor da igreja. Pela ignorância de muitos de ” pastores “, confundem a cor preta com trevas. Assim como pessoas negras como descendentes de Caim, pois, alegam ser o sinal posto em Caim, a pele escura, promovendo assim, o racismo dentro das igrejas que, é evidente. Trevas nada mais é do que, um lugar distante de Deus. Deus é o Senhor de todas às cores, inclusive a cor preta. Tais matérias visam apenas, criar mais contendas e divisões dentro do corpo de Cristo. Se a quantidade de matérias sobre igrejas de cor preta, fosse convertido em mensagens aos que sofrem e necessitados, muito mais pessoas seriam alcançadas. Na boa, a todos que, leem meu comentário, vamos nos amar mais, vamos nos respeitar mais, vamos nos valorizar mais, enfim, vamos seguir os passos e exemplos do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Vamos parar de sermos juízes e deixar O Justo Juíz, julgar.

    Mestre”, disse João, “vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos. ”
    “Não o impeçam”, disse Jesus. “Ninguém que faça um milagre em meu nome, pode falar mal de mim logo em seguida,
    pois quem não é contra nós está a nosso favor.

    Marcos 9:38-40

  17. A paz do senhor Pastor! Pastor eu concordo plenamente com o que o senhor escreveu. Eu recentemente tive minha igreja pintada de preta fiquei tão triste e chorei e ainda hoje quando vou faltar sobre isso fico triste e choro em ver a igreja de preto; pedi o meu desligamento da igreja. E durante estes dias clamei a meu Deus meu senhor, se eu estava errada, hoje fui pesquisar e já de cara entrei suas palavras e vi a resposta que tanto pedi a Deus, pois em minhas orações eu disse ao senhor a palavra de uma irmã não tem peso mas de um pastor ungido pelo senhor é outra coisa. As igrejas estão se perdendo em tanta modernidade, estão fazendo o caminho de Salomão que mesmo com tanta sabedoria se perdeu de sua crença de seu Deus ao misturar se com outras crenças e religiões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*