Iniquidade no santuário

“Faze-lhes também calções de linho, para cobrirem a pele nua; irão da cintura às coxas. E estarão sobre Arão e sobre seus filhos, quando entrarem na tenda da congregação ou quando se chegarem ao altar para ministrar no santuário, para que não levem iniquidade e morram; isto será estatuto perpétuo para ele e para sua posteridade depois dele” (Ex 28.42-43).

O que é levar a iniquidade para o santuário? Era uma questão comportamental. O sacerdote teria que usar cuecas e vestir-se bem. Alguns sacerdotes pagãos ofereciam sacrifícios a seus deuses nus, o que era vergonhoso e abominável.

Não é isto que fala o texto? O santuário é o lugar em que Deus habita. O santuário de Deus na Nova Aliança é a igreja, as pessoas, o seu povo. Assim como a iniquidade poderia ser levada para dentro do santuário terrestre, também em nossos dias ela é levada para dentro do santuário espiritual que é a igreja.

Antes de abordar a questão ministerial, abordemos a questão da iniquidade como um todo.

  1. A terra de Canaã precisava ser destruída para que reinasse a justiça divina.

 “Na quarta geração, tornarão para aqui; porque não se encheu ainda a medida da iniqüidade dos amorreus” (Gn 15.16). Parece que Deus suporta certa medida de iniquidade das nações e depois traz juízo sobre elas.

  1. Os sistemas iníquos de governo.
  2. A) Todos os sistemas de governo dos homens sejam capitalistas, socialistas, comunistas; sejam de direita, centro ou esquerda são construídos sobre a base da iniquidade.

É o que acontece neste país. Por ser um governo iníquo, sempre que é preciso apertar o cinto na economia, aperta-se o cinto do trabalhador, do aposentado, aumentam-se os impostos, cortam-se os gastos com a educação, a saúde e a segurança. Isso se chama iniquidade. Deus condena os governos iníquos. Os profetas bíblicos sempre vociferaram contra eles. Aqui no RS a partir de 1 de Janeiro todos os impostos subiram e temos a gasolina mais cara do país bem como a luz, telefonia e água. Isto se chama iniquidade!

A China e seu sistema iníquo do filho único. Meninas abandonadas para morrer.

A Coréia do Norte investe em armamentos e o povo passa fome. São sistemas iníquos. Fidel e Raul se consideram os donos da Ilha e donos de cada pessoa que nela habita.

  1. A) A iniquidade age em sentido contrário da justiça social. Oprime.
  2. Deus condenava a prática da opressão social. Razão porque Sodoma foi destruída (Ez 16.49 e ss. Veja 2 Cr 16.10). “Por causa da opressão dos pobres e do gemido dos necessitados, eu me levantarei agora, diz o SENHOR; e porei a salvo a quem por isso suspira” (Sl 12.5). Habacuque disse que Deus não suporta a opressão (Hc 1.3, 13). Trinta e uma vezes aparece a palavra “opressão”, como forma de iniquidade no AT. No NT “opressão” aparece uma única vez como verbo oprimir (Tg 2.6).

Certos pecados são frutos da iniquidade; outros são frutos da rebelião e ainda outros são pecados contra o corpo. “Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado” (Sl 32.5).

  1. B) Os irmãos de José eram iníquos.
  2. Os irmãos de José não apenas pecaram: Tornaram-se iníquos. “Então, disse Judá: Que responderemos a meu senhor? Que falaremos? E como nos justificaremos? Achou Deus a iniqüidade de teus servos; eis que somos escravos de meu senhor, tanto nós como aquele em cuja mão se achou o copo” (Gn 44.16).

Jesus possuía uma característica que o dignificou no céu: “Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros” (Hb 1.9).

Os governantes exercem seus cargos numa estrutura iníqua em que o grande chefe é Satanás, no entanto a justiça (em todos os seus aspectos deve ser a característica da igreja). Os profetas, o Senhor Jesus e os apóstolos sempre denunciaram que o mundo faz parte de um sistema satânico (veja Atos 2.40) e, os governantes, até mesmo bons cristãos, levados pela estrutura iníqua que impera no mundo, por melhor que sejam suas intenções, acabam por entrar no sistema dos iníquos.

  1. B) Iniquidade na igreja – o santuário de Deus.
  2. A diferença entre pecado e iniquidade. Uma coisa é o pecado. Outra é a iniquidade. Pecar, todos pecam e, quando nos damos conta de nosso pecado nos arrependemos diante de Deus. O iníquo não. Ele pratica atos de injustiça contra pessoas indefesas e inocentes, oprime os pobres e os velhos, os aposentados sem qualquer remorso ou tristeza, porque a iniquidade faz parte de sua natureza diabólica e perversa. Iniquidade é um cometimento contínuo de pecado sem a busca do arrependimento. E isto é fácil de ocorrer no ministério.
  3. Davi pecou, foi perdoado. Não vivia na iniquidade (Sl 51.2 cf. 2 Sm 12.13).
  4. A iniquidade na política eclesiástica. Esta é a mais perversa de todas; mais que a política de Estado, aquela feita pelos que nos representam nas câmaras municipais, estaduais e federal, porque, enquanto a política civil tem a tendência de agir por meios satânicos, a política eclesiástica usa da espiritualidade e do sagrado para perverter o que é espiritual e, usa o nome de Deus para pedir a bênção do Altíssimo para as mentiras que serão usadas e apresentadas ao povo em nome de Deus.

Ela é mais iníqua que a iniquidade dos ímpios, porque, enquanto os ímpios são perversos por natureza e não tem temor de Deus, a política eclesiástica perverte o sagrado e o santo, e profana o templo de Deus que é a igreja, isto é, as pessoas.

Agora, não é diferente em muitas igrejas cujos líderes cometem iniquidade ainda maior, porque oprimem financeiramente seus membros, os amaldiçoam, roubam-lhes os poucos proventos com desculpas espirituais. Líderes que gastam dos recursos do povo para fins pessoais e interesseiros da igreja ou denominação.

  1. A iniquidade para o ímpio é coisa normal. Mas, a iniquidade praticada por pastores e líderes que creem que estão acima do bem e do mal e que Deus não demandará deles juízo algum é bem pior. Para os espiritualmente iníquos repeito aqui o que dizia meu velho professor de teologia, o João Kolenda Lemos: O moinho de Deus mói muito devagar, mas tem uma moenda muito fina. E a moenda de Deus esmagará a cabeça dos perversos, sejam estes de que classe for. Ora, se do juízo de Deus não escapam os iníquos da sociedade, que se dirá daqueles que se dizem servos do Deus altíssimo e advogam a si o direito da espiritualidade e oprimem os mais pobres e desamparados?
  2. A política eclesiástica feita em nome de Deus cheira mal nas narinas de Deus. Estou certo de que Deus se mantém distante de muitas convenções, concílios, reuniões de presbitérios e, quem sabe, de vez em quando manda algum anjo mexer as águas de uma igreja para abençoar as pessoas, mas se mantém longe da casa que deveria ser sua! A Igreja.
  3. C) Os rebeldes sempre ouvirão os pregadores da iniquidade.
  4. Quem dará ouvidos ao espírito do anticristo? Os desobedientes: “Ora, o aparecimento do iníquo é segundo a eficácia de Satanás, com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira, e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos. É por este motivo, pois, que Deus lhes manda a operação do erro, para darem crédito à mentira, a fim de serem julgados todos quantos não deram crédito à verdade; antes, pelo contrário, deleitaram-se com a injustiça” (2 Ts 2.9-12).
  5. D) Os desobedientes tornam-se iníquos pela insistência em viver no pecado.
  6. A iniquidade está impregnada na cultura dos povos – desde indígenas até os mais civilizados. Na cultura do reino de Deus não há espaço para a perversão e iniquidade.

A varredura do santuário começou. Os iníquos serão todos lançados fora por Deus!

  1. E) Como detectar a iniquidade na igreja.
  2. Quando a liderança pensa no lucro, no seu projeto pessoal e na grandeza do nome de sua igreja.
  3. Quando os empreendimentos materiais da instituição têm prioridade sobre as necessidades dos irmãos e da sociedade (pobres e injustiçados).
  4. Quando a igreja fecha os ouvidos às necessidades dos pobres e desamparados.
  5. Quando as reuniões convencionais são usadas para enaltecer o ego dos líderes desprezando as necessidades espirituais da igreja.
  6. Quando os obreiros da igreja não são abençoados com um salário digno para poder viver.
  7. Pelo texto de Ex 28.42-43 a iniquidade seria levada para dentro do santuário pela nudez. Deveriam cobrir a genitália. Isto tem a ver com vida sexual. 7.

8.

9.

Etc.

About Pr. João de Souza

Pastor, escritor, historiador e pesquisador bíblico

View all posts by Pr. João de Souza →

One Comment on “Iniquidade no santuário”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*