As sutilezas do livro A Cabana

Confesso. Fui forçado a ler A Cabana por pessoas amigas que queriam minha opinião a respeito do livro. Eis minha avaliação. Como romance é ótimo. Tem bom enredo e consegue prender o leitor até quase metade do livro. Mas, depois que o protagonista da história vai até a cabana onde o enredo se passa, a conversa com Deus, que lhe aparece como uma mulher negra, cozinheira, que gosta de rap e de reggae; com Jesus, um carpinteiro bonachão e com o Espírito Santo uma mulher de características orientais, a narrativa se torna às vezes monótona, outras vezes cativante, mas sempre preocupante.

Não quero, de maneira alguma jogar água fria em você que leu o livro A Cabana.

Mas é nos diálogos da suposta trindade com o protagonista que aparecem as sutilezas ou sementinhas de sofismas que poderão afetar a maneira de crer de crentes imaturos que não conhecem a essência de sua fé. Sim, meus amigos, porque hoje existe uma geração de cristãos que não sabe em que crê; apenas crê. Crê nos pacotes de ensinamentos que lhes são apresentados em cada culto da igreja. Tudo que sabem de Deus, de Jesus e do Espírito Santo é o que lhes foi apresentado no kit que receberam do pastor a partir do dia em que ingressaram na igreja.

Sei que o livro vende bem e é apreciado pelos evangélicos. Acontece que muita gente não percebe suas sutilezas. Além das sutilezas, a pergunta que Mackenzie, o principal personagem do livro faz a Deus: Por que Deus permitiu que sua filha fosse seqüestrada e morta? Sempre é respondida com evasivas. Busquei a resposta e, como Mack fui iludido.

A sutileza do escritor convenceu líderes evangélicos americanos como Pat Robertson do Clube 700, Michael W. Smith, Eugene Peterson, professor do Regent College e outros renomados pastores americanos e até mesmo James Ryle do movimento Vineyard.

No entanto, quando se compara tudo o que é sugerido no livro com a Bíblia descobre-se mais uma pedra fundamental da velha torre de Babel, que é também a pedra de esquina da chamada igreja emergente. Sim, porque a igreja emergente traz para seu seio ensinamentos de filosofias e conceitos do pós-modernismo; o ensinamento de que a igreja precisa abarcar em seu seio todas as culturas e adaptar-se a todas as influências.

Para que o leitor compreenda, o pós-modernismo abriu espaço para que a Nova Era influencie a mensagem evangélica com a tendência de se repudiar a possibilidade de qualquer conhecimento seguro e sólido da verdade. Trabalha pela desconstrução sistemática de qualquer reivindicação da verdade; é a rejeição de toda expressão de certeza.  Não existe verdade absoluta, apenas a incerteza e cada pessoa fica com sua verdade, com o que crê! Cada pessoa crê do jeito que quer, e deve respeitar a crença do outro. Não é lindo? E isto fica claro no livro A Cabana.

A sutileza de Satanás em mascarar a verdade vem sendo apresentada como se os diálogos da trindade em A Cabana estabelecessem a verdade suprema que estava faltando na igreja.

No final de 1998-2000 o sucesso era ler o Código da Bíblia em que o autor lançava uma cortina de fumaça sobre a fé cristã. O escritor Michael Drosnin valendo-se das pesquisas do matemático Elihu Ripps da Universidade Hebraica de Jerusalém chegou até mesmo a fazer suas previsões afirmando que um terremoto devastaria o Japão em 2006. Nada aconteceu. Ainda quero voltar ao tema do O Código da Bíblia para ressaltar as sutilezas.

Depois veio o Código Da Vinci sugerindo que a fé dos cristãos teria sido manipulada por homens que esconderam das pessoas a verdade, insinuando a idéia de que estávamos crendo numa farsa. Os defensores da fé cristã, como Erwin Lutzer tiveram que defender novamente a fé dos cristãos. Agora, em A Cabana somos brindados com novas formas de sutilezas, aliás muito bem apresentadas e quase convincentes! E neste tempo de globalização um livro pode ser sucesso mundial em pouco tempo.

Essa tentativa da redefinição de Deus pode ser detectada nas entrevistas que o autor deu ao longo deste tempo. Conforme o autor, o livro é para os têm um anseio de que Deus seja bondoso e amoroso, conforme desejamos. (Entrevista com Sherman Hu, 04/12/2007). Busca-se um Deus cujo amor seja incondicional, que não exija obediência alguma, arrependimento, que não condene o pecado, nem faça com que os homens se sintam culpados pelos seus atos. Não creio que o deus que Mack encontra na cabana onde sua filha foi assassinada seja o Deus da Bíblia. Ou então, o Deus sobre quem falo e prego ao longo de meus 45 anos de ministério mudou! Tornou-se um Deus mais light, fofinho, crível por todos. Ele é apresentado no livro A Cabana desvestido de santidade. Totalmente humano.

Veja algumas frases interessantes:

“Os que me amam estão em todos os sistemas que existem. São budistas ou mórmons, batistas ou muçulmanos, democratas, republicanos e muitos que não votam nem fazem parte de qualquer instituição religiosa (…) Há banqueiros, jogadores, americanos e iraquianos, judeus e palestinos. Não tenho desejo de torná-los cristãos, mas quero me juntar a eles em seu processo para se transformarem em filhos e filhas do Papai, em irmãos e irmãs, em meus amados” (Palavras de Jesus para Mack – pp 168-169).

– Se é assim, Jesus, por que venho me afadigando em pregar o evangelho?

É a pergunta que eu faria ao Jesus de A Cabana!

“Aplicar regras, sobretudo em suas expressões mais sutis, como responsabilidade e expectativa, é uma tentativa inútil de criar a certeza a partir da incerteza. E, ao contrário do que você possa pensar, eu gosto demais da incerteza. As regras não podem trazer a liberdade. Elas só têm o poder de acusar” (p 190).

– Deus, se você gosta da incerteza, por que sou apresentado a um Evangelho que me traz a certeza? Também perguntaria isso ao deus de A Cabana!

Mas, leitor, conclua você mesmo. Como se dizia antigamente, leia o livro com um olho na missa e outro no padre! E cuidado, a sutileza é maior do que você imagina!

8 Responses to As sutilezas do livro A Cabana

  1. Magda disse:

    Achei bem legal esse comentário do livro e concordo com tua posição. Vejo muito difundida a idéia de um deus bondoso, que tudo aceita, que simplesmente vive para nos amar, na qual pecado já não importa, muito menos santidade. Minha grande tristeza é que essa percepção tem se infiltrado aos poucos em algumas igrejas que tinham bases mais tradicionais de fé considerando autores como Spurgeon, Tozer, Loyd-Jones, Owen etc e que agora parecem ver a necessidade de agradar ao público e apresentar uma fé mais light para aumentar a audiência. Jesus nunca se preocupou em agradar a audiência e sempre falou a verdade em amor. Temo que isso esteja se perdendo na atualidade, quando tudo se torna um show.
    Um grande abraço.

    • Magda. Em relação a sua mensagem sobre o livro a Cabana, isso é verdade. O evangelho tem sido fragmentado para apresentar um Deus bonzinho, sem seu lado de justiça, próprio da ficção de filmens americanos! Quanto a mim, no entanto, fico com o Deus que conheço nas Escrituras Sagradas.
      Obrigado por sua colaboração!

  2. Mariana disse:

    comentário pertinente Pastor, nasci em lar evangélico e confesso q fique intrigada com o livro, o “jesus” q nos é apresentado é bem diferente do Jesus verdadeiro q conheço, e o diabo mais uma vez usando “sapatinho de algodão” para enganar o povo de Deus, devemos ficar atentos nestes últimos dias para não nos enganarmos com falsas ideias do evangelho.

    Att.

  3. Rute disse:

    Se você gostou do Livro A CABANA, ou se odiou o livro, mas mesmo assim leu, então você não pode deixar de ler o Livro RABISCOS DE DEUS-de Aluisio Nogueira-Editora Ágape: É sem dúvida um livro muito mais consistente e aborda as mesmas questões com uma história que prende o leitor do início ao fim, mas devo admitir que do meio em diante a história me conquistou, fiquei muito surpresa, admirada por ler um livro tão profundo sobre a existência humana. A história é envolvente e você embarca completamente naquela cidade e na vida da protagonista Celina que é uma mulher radiante! Além dos demais personagens fortes e vibrantes como o Vilão Navarro e Márcio um ativista social pouco religioso, mas com fé suficiente para transformar a vida de muita gente nessa história que tem Romance, Ação, Fé e todos os ingredientes de um Livro de suspense que mais parece um filme, um longa metragem maravilhoso que não consigo esquecer, já li diversas vezes. Foi um presente na minha vida! Assista ao Booktrailer: http://www.youtube.com/watch?v

    Na mídia: http://www.dino.com.br/release

    Na Saraiva: http://www.livrariasaraiva.com

    Na Livraria Cultura: http://www.livrariacultura.com

  4. zenildo pereira disse:

    desculpe a minha ignorancia,vim parar neste blog, porque queria achar o trecho do livro em que ocara encontra a sabedoria, o que achei a escência do mesmo,o que achas?..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*